mendara


pataPerguntas Frequentes

Temos aqui uma seleção de algumas mensagens que recebi nos últimos meses, tanto neste site como por meu trabalho com a LordCão-Treinamento de cães, e que ilustram as dúvidas e problemas de muita gente.
Retirei os nomes das pessoas por motivo de privacidade assim como informações repetitivas e sem utilidade.
Destaquei algumas frases nas perguntas que ilustram o assunto principal das mesma, para facilitar.

................................................................

Pergunta:
Daniela, li a sua história com o rottweiler, também tenho uma paixão pela raça..
Venho através desta solicitar-vos maiores informações no tocante a como identificar um verdadeiro filhote de Rottweiler, pois ha tantos charlatães que tentam te enganar na venda de um filhote de viralata, e gostaria de saber o preço de seus filhotes pois tenho intenção de adquirir um filhote para adestramento e para guarda.

Resposta:
Olá,
Para comprar um bom filhote, não só puro, mas dentro do padrão e com todas as seleções necessárias você tem que acima de tudo selecionar o criador. Digo isso pois para quem não conhece bem a raça é realmente difícil diferenciar um bom filhote de um ruim, então o que te resta é acreditar em quem está te vendendo. Mas algumas coisas podem ajudar.

1. Quem são os pais e que documentos possuem. Filhotes sem pedigree muito raramente serão bons. Um pedigree custa R$30,00, então, nenhum bom criador deixa de registrar seus filhotes todos. Os pais da ninhada têm que ter controle de displasia coxo-femural e de preferência terem participado de alguma exposição para serem avaliados, e devem ter feito teste de índole . Se você for de algum estado que tenha clube especializado, cheque com o clube quais criadores são sócios e cumprem o regulamento de criação.
2. O estado dos cães. Nenhum bom criador vai ter cães confinados em pequenos espaços, sujos, magros ou cheios de vermes. A desculpa que "filhote é sempre assim" e que a cadela fica horrorosa por causa da ninhada é mentira, é só visitar um bom canil para conferir.
3. Pressa de vender. Um bom criador não tem pressa em vender seus filhotes pois sabe que o que é bom não "encalha", e ele tem espaço e condições para mantê-los pelo tempo necessário. Geralmente tem reservas feitas e só começa a entregar os filhotes aos 50 dias, NUNCA antes. Os filhotes saem vermifugados e com a primeira vacina.
4. Preço. Um bom filhote não custa menos de uns R$800,00. Um bom criador não vive de vender filhotes, mas investe muito em seleções, exposições, coberturas e cuidados, então pede um preço justo. Se algum filhote tiver alguma falta pode ser vendido mais barato com a condição de não reproduzir.

Com esses 4 itens já dá para você selecionar um bom criador, e conseqüentemente um bom filhote. Dê uma olhada no site, no texto " escolhendo um filhote" para mais dicas.

................................................................

Pergunta:
É muito bom ler a historia de vcs, parabéns!!
Tenho uma dúvida, um amigo da família tem um rottweiler e não tem espaço na casa dele, o cachorro fica em um corredor. Ele quer dar o cachorro para nós, mas o cachorro já tem 2 anos, a família diz q ele não é bravo q ele é bem criança ainda
Mas o tamanho dele é enorme, muito lindo.
Meu medo é q tenho crianças de 2 anos. Será q ele iria acostumar neste ambiente?
Vcs q tem mais experiência queria q me falasse
Amamos cachorros, mas tenho medo por ele já ter esta idade
Fico atenciosa aguardando uma resposta
Obrigado.

Resposta:
Olá,
A idéia que as pessoas têm de cães adultos é muito errada. Muitas vezes o cachorro adulto é uma opção muito melhor que o filhote pois além de menos bagunceiro e menos estabanado, já se pode ver como é o seu caráter. É um erro achar que qualquer filhote, só porque foi criado com a gente desde pequeno, vai ser bom para nossos filhos. Assim como as pessoas, cachorros têm caráter e temperamento, e isso independe da criação. Portanto, se esse cachorro do teu amigo é "gente boa" não tem porque ele não se adaptar bem na tua casa. Faça um teste levando as crianças até a casa dele para ver como ele se comporta com elas. Mas nunca se esqueça: crianças menores que 10 anos e cachorros NUNCA devem ser deixados sozinhos juntos. É claro que nas primeiras semanas ele vai estar se adaptando e deve ser respeitado. Aliás, ensinar as crianças a respeitarem o cão é tão importante quanto ensinar o cão a respeitar as crianças. Valeria a pena investir em treiná-lo pois isso reforça os laços entre você e ele e faz com que ele te obedeça no dia a dia. Todo cachorro deveria ser treinado pois torna a relação com os donos muito melhor já que ele aprende a tua "linguagem" Mas todo treinamento deve ser feito sempre na presença e com a participação de vocês, nunca só o treinador e o cão. Castrá-lo também pode ser uma boa idéia, pois além dos benefícios para a saúde, diminui a dominância dele, o que faz com que fique mais paciente com os pequenos e mais obediente. Então ... na minha opinião, se você gosta dele vá em frente, e seja muito feliz.

................................................................

Pergunta:
Eu quero pegar um rottweiler para criar mas meus pais estão com bastante medo, pois alguns amigos deles já sofreram "ataques" de cachorros desta raça. Muitos são totalmente contra a criação e dizem que o cão é de um temperamento muito imprevisível.
Sou apaixonado pela raça e estou com uns filhotes de 45 dias prontos para pegar de uma cria de 2 rot de um amigo meu.
Alguns falam que tem que saber o temperamento dos pais, outros falam que independente disso o que vale é a criação e o carinho que se dá para o cachorro, outros falam que não adianta, se o bicho se voltar contra você ele vai te matar, mas sinceramente eu não sei no que e em quem acreditar.
Resolvi recorrer a vocês que são especialistas no assunto e estou depositando minha confiança para poder adquirir um bom cão de guarda que seja amigo da família.
Na minha casa tem um quintal bem grande e espaçoso para a criação e também possuo um pastor belga mestiço, que tem 10 anos. Também queria saber se é melhor pegar fêmea ou macho, já que o meu cachorro é macho.
O meu medo é só dele não se virar contra ninguém da casa, uma vez que a fama da raça não é das melhores.
Por favor, se puderem me ajudar me esclarescendo à respeito do assunto serei bastante grato. E me desculpe se estou abusando da boa vontade de vocês, mas nada melhor do que se informar com especialistas. E confesso que fiquei um pouco assustado com alguns casos que fiquei sabendo de traições contra o próprio dono.


Resposta:
Olá ,
Entendo suas dúvidas, afinal, vemos muitas informações por aí, e um monte de gente que não entende nada de cachorro acha que pode dar palpite. Além disso, tem a mídia, que nunca mostra a história completa quando algo acontece, e nos deixa sem saber de quem realmente é a culpa nos acidentes (que posso te garantir que em 90% dos casos é dos humanos ...).

Mas vamos lá. O temperamento de qualquer cão é 50% genético, 50% criação. Os problemas que vemos acontecer com os rotts, geralmente vêm de uma mistura das 2 coisas. Cães geneticamente ruins e falta de conhecimento por parte dos donos.

Ou seja, a primeira coisa a fazer é comprar um bom filhote, vindo de um criador sério, que entenda de temperamento e crie seus cães dentro do que se espera para a raça. Os pais do filhotes têm que ter controle de displasia, e se forem do Rio ou São Paulo, certificado de Apto a Reprodução do RottRio ou da APRO. O temperamento dos pais tem que ser equilibrado e a ninhada bem cuidada. Filhotes sem pedigree e sem nenhum controle têm muito mais chance de dar problemas no futuro.

Fora isso, vocês têm que se informar em como educá-lo corretamente, dando carinho, atenção, disciplina e limites. O filhote tem que ser muito socializado e aprender a gostar de pessoas amigas da família. Isolar um cão não o torna um bom guarda, só o torna desequilibrado. Aulas em grupo, ou um treinadr que trabalhe sempre junto com o dono são as melhores opções. Educação começa desde pequeno, prender um cão para que ele não faça bagunça ou pule na gnte não ensina nada, só deixa o cachorro mais ansioso.

Quanto ao seu outro cão, por ser mestiço de pastor (mesmo o belga) existe uma grande chance de vir a brigar com o rott quando este último tiver mais de 1 ano. Seria melhor pegar uma fêmea. Na verdade, mesmo sem este fator seria melhor para vocês pegarem uma fêmea pois elas são menores e menos dominantes, sendo mais indicadas para quem não tem experiência com raças de temperamento forte.

Fora isso tudo, vocês têm que levar em conta se vale mesmo a pena ter um rott. Se seus pais têm medo e não vão confiar no cachorro, é melhor ter outra raça na qual eles confiem, pois esta desconfiança vai ser sentida pelo rott, fazendo com que ele também não confie em vocês. Geralmente as pessoas que têm medo prendem o cachorro e não socializam, e aí sim acabam criando um problema. Converse seriamente com eles sobre isso e veja se estão dispostos a lidar com esse medo, e se envolver com o cão, treiná-lo, educá-lo e torná-lo parte da família.
Espero ter ajudado. Boa sorte.

................................................................

Pergunta para a seção de perguntas sobre Bichos na Revista da Folha:
Tenho uma filhote fêmea de rottweiler, de 45 dias, que está tocando o terror em casa. Ela não pára: rói o pé da cadeira, tira os sapatos do lugar e já rasgou duas calças minhas ao se atracar na minha perna. Como devo atuar?

Resposta:
Filhotes nessa idade são cheios de energia mesmo, o que temos que fazer é direcionar essa energia para comportamentos construtivos e brincadeiras aceitáveis.
O primeiro passo é ter muitos brinquedos (pelo menos uns 8), de texturas diferentes: um osso de couro, um de verdade, um casco de vaca, uma bola de borracha, um brinquedo de corda e um de plástico, são alguns exemplos.
Depois, quando o filhote estiver sem supervisão, deve ter acesso restrito à casa, até mesmo para não se machucar enquanto destrói as coisas. Ou seja, quando ela for ficar sozinha, deve ter seu cantinho aconchegante com seus brinquedos e água.
Quando ela estiver acompanhada e solta, a palavra mágica é supervisão. Alguém tem que ficar de olho nela para repreendê-la quando agir errado e mostrar como é o certo. Ela quer correr, levê-a para fora, quer roer, dê um osso, agarrou sua calça, não brinque, faça-a soltar e sacuda um brinquedo para chamar a atenção dela. Fora isso, sempre dê atenção quando ela estiver calminha. Um erro comum que cometemos é não dar bola quando o filhote está quietinho, mas pararmos de fazer o que quer que seja quando fazem uma besteira, então o que eles aprendem é que para ter nossa atenção devem fazer a besteira!
Para terminar, nunca é cedo para se começar exercícios básicos de obediência. Aprender a usar guia, sentar, deitar, ficar, etc, pode ser uma boa brincadeira, que ao mesmo tempo já dá ao filhote o hábito de obedecer. Só não se pode exigir muito, nem castigar, mas fazer da obediência um hábito saudável e prazeroso.

................................................................

Pergunta:
Ola!!
Tenho um rottweiler de 8 anos e ele está com displasia. Levei a vários veterinários e cada um me dá um diagnóstico diferente sobre a doença. Gostaria de saber se vocês têm alguma dica sobre o tratamento e sobre a doença, pois alguns veterinários falaram que não tem cura e outros falaram que tem tratamento. Estou tentando o tratamento, mas não está dando certo. Obrigado pela atenção.

Resposta:
Olá Walter,

Eu diria que as duas respostas que te deram estão certas. A displasia tem tratamento sim, mas não tem cura. O tratamento melhora os sintomas e a qualidade de vida, mas a doença é degenerativa e progressiva, ou seja, com o tempo, vai piorando. Na realidade o seu cão sempre teve displasia, pois a doença é genética, só que ele não apresentava os sintomas, que só apareceram agora.

O tratamento consiste de anti-inflamatórios nos momentos de crise e regeneradores articulares (osteocart plus, artroglicam, depende do caso e da preferência do vet) para o resto da vida. Existe também uma ração medicinal da Royal Canin para displasia. A natação regular ajuda muito, assim como manter o cão magro e fazendo pequenas caminhadas. Acumpultura ajuda a aliviar os sintomas, diminuindo a dor e melhorando a movimentação. Se você for do Rio, sugiro procurar o Dr. Rubem Bittencourt (2294-0882/2511-4391), que é ortopedista e especialista no assunto.

Com tratamento a longo prazo e os exercícios, muitos cães melhoram bastante, não desanime.

................................................................

Pergunta:
olá !
Mais uma vez venho através deste para que se vc pudesse me informar um pouco
mais sobre a doença chamada displasia coxo-femural, tenho uma rottweiler e lendo sobre essa raça vi que essa doença é meio que comum nessa raça. Além disso gostaria de saber se o cachorro que apresenta essa doença tem algum sintoma que possa ser percebido por nós ou se somente pode ser detectada através de radiografia.

Resposta:
Olá,
Infelizmente a displasia é realmente muito comum nos rotts (assim como nos pastores, labradores, goldens e berneses). Mesmo na criação alemã, que controla seus cães a mais de 30 anos, a displasia ainda atinge de 12 a 15% dos cães. Ela pode ou não ter sintomas, vai depender do grau, do estilo de vida e de características próprias de cada cão. Alguns cães mancam, outros gemem ao levantar e outros não têm sintoma algum, então o melhor é radiografar seu cão se ele já tiver mais de 1 ano para saber. Se ele for portador assintomático (eu tenho 2 assim) não precisa fazer nada, a não ser mantê-lo magro, longe de pisos lisos e com exercícios moderados e freqüentes para manter a musculatura bem desenvolvida. Tão importante quanto isso é não reproduzi-lo já que a displasia é genética e tende a se agravar, ou seja os filhotes de cães displásicos geralmente são mais displásicos que seus pais.

Você encontra mais informações sobre a displasia no texto de nosso site, assim como no www.rottrio.com.br e www.apro.com.br

................................................................

Pergunta:
Gostaria de saber qual o preço médio de um de seus filhotes, como eles são entregues e como é o transporte para outros estados.

Resposta:
Nossos filhotes saem a partir dos 50 dias, vermifugados, vacinados e microchipados. Eles vão acompanhados de: protocolo de registro; cópia dos certificados de Permitido para Acasalamento RottRio dos pais; cópia dos pedigrees, súmulas, títulos e laudos de displasia dos pais e cópia do Certificado de Verificação de Ninhada RottRio.

Fazemos reservas somente depois que a ninhada nasce, portanto é só acompanhar pelo site. O preço é de R$1.000,00 a R$1.200,00. Quanto ao transporte para outros estados, depende. Se for SP ou MG, às vezes conseguimos "caronas" nas épocas de exposição. Para outros estados ou se formos mandar via aérea, temos as despesas da caixa, do GTA, do Atestado de Saúde e do envio em si. Também é preciso que o aeroporto de destino seja a uma ou duas escalas do Rio, para não estressar demais o filhote. O preço sai em média, de R$500,00 a R$800,00, dependendo do estado, por causa do vôo.

................................................................

Pergunta:
Resido em Recife PE, gostaria de saber o valor e o custo do translado para a minha cidade. Sou criador a 9 anos desta bela raça e durante esse tempo colecionei diversos problemas com meus animais relacionados a genética, o último é uma cadela minha de 4 anos com câncer no sistema linfático. É deprimente o estado dela e vou poupá-los de maiores detalhes. Já cheguei a ter 6 animais, hj possuo apenas 4 e uma em estado terminal q espero chegar até o fim do ano. Tudo isso devo a falta de procedência dos animais, sem pedigree, apenas vizualizando a beleza de seus genitores. O fato é que preciso saber qual o custo benefício que terei em adquirir um dos seus animais. Não quero nada excepcional, viso apenas a satisfação de cria-los e ser retribuido com a segurança q eles proporcionam a mim e a minha família.
Se vcs possuem um animal que atenda a minha simples exigência, gostaria de negociar valores e translado.
Obrigado.

Resposta:
Olá,
Sinto muito por seus cães, é muito triste perdê-los assim.
Não só na minha criação, mas em qualquer criação selecionada, você tem a vantagem de saber o histórico genético do filhote que está comprando. Quem são os ancestrais, se estão vivos, como é sua saúde, e que problemas possuem (o cão perfeito ainda não nasceu ...) Se for um criador sério, ele/ela vai saber te dar essas informações. Levando em conta uma vida média de 10 anos, e uma diferença de digamos R$500,00 a R$700,00 acho que é um investimento que vale a pena.

Lá em casa, por exemplo, crio a 11 anos, e perdi ano passado minha primeira matriz, aos 9 anos e meio, de endocardite (infecção no coração), mas na necrópsia, descobrimos que ela estava começando um câncer de pulmão, e que morreria em 3 ou 4 meses ... Infelizmente, rott têm muito câncer, principalmente por volta ou a partir dos 10 anos. Este ano perdi o que foi meu primeiro cão, aos 11 anos de câncer linfático. Ele nunca reproduziu pois tinha displasia coxo-femoral. Tenho amigos aqui no Rio que perderam cães com câncer aos 7 anos, o que já é mais raro, e outros que duraram até os 13 ou 14 anos, o que também não é muito comum.

Da minha linhagem, sei que a grande maioria está viva bem, graças a Deus, mas também agora é que meus primeiros filhotes estão fazendo 11 anos...

O problema dos cães sem pedigree é que geralmente são criados por pessoas sem conhecimento, que cruzam cães fora do padrão, sem exames de saúde, e até parentes (que eles podem nem saber que são parentes, pois sem o pedigree não se sabe a genealogia do cão!) e não ligam o padrão da raça, temperamento, etc. Problemas até podem acontecer nas melhores famílias, mas é muito mais raro.

................................................................

Pergunta:
Srª Daniela Prado,
Estou interessada em duas fêmeas da raça Rottweiler. Preciso que sejam novas, no máximo, 2 meses e não preciso de Pedigree, pois não tenho interesse em reprodução, exposição ou coisas do tipo. Pensei em ligar agora para o canil, mas está tarde e deixarei para amanhã. Também gostaria de saber o preço de cada filhote e se há algum desconto em pagamentos à vista ou facilidades de pagamento, já que comprarei duas fêmeas e não preciso de Pedigree.


Resposta:
Olá,
Não temos filhote no momento, estamos esperando a Flamme entrar no cio para acasalar, portanto a nova ninhada deverá nascer lá para o fim de fevereiro ou março.
Só uma dica, não abra mão do pedigree, pois ele custa menos de R$30,00, e é o que vai te dar o histórico genético do filhote que está comprando. Quem são os ancestrais, se estão vivos, como é sua saúde, seu temperamento, etc, ou seja, o que esperar de seu filhote. Fora isso, quem não registra seus cães dificilmente faz controle de displasia, estrutura ou temperamento, e por mais que você não vá criar, acredito que queira filhotes saudáveis. Levando em conta uma vida média de 10 a 12 anos, acho que é um investimento que vale a pena.
Espero ter ajudado e boa sorte.

................................................................

Pergunta:
Oi, achei o seu site na net e gostei do seu cão, o Ludwig, eu tenho uma
cadela chamada AAA filha de XXXXX e YYYYY, tenho o pedigree dela gostaria de saber se por acaso podemos cruzar os dois? Se não puder tudo bem .. de que lugar do RJ vcs sao? Estou lhe enviando fotos da AAA
abraços

Resposta:
Olá,
Parabéns pela AAA, ela parece muito bonita.
O Ludwig só poderá começar a cruzar em janeiro, quando fará 1 ano e meio e a chapa de displasia. Mas para que a AAA possa cruzar, seja com o Ludwig ou com outro cão, você precisa tomar algumas providências.

A primeira é fazer a radiografia para controle de displasia dela, para saber como são as articulações dela e com que tipo de cão ela pode cruzar. Isso é feito a partir de 18 meses, e as regras estão no site www.rottrio.com.br, no Regulamento de Criação. Se tudo estiver bem, você precisa trazê-la num evento do Rottweiler Clube para que sejam feitas suas medidas oficiais, súmula e teste de índole, onde um juiz dirá se ela está dentro do padrão da raça, quais suas características mais marcantes e verificará seu temperamento. Não é preciso nenhum treinamento prévio, só se inscrever. É importante fazer isso tudo para que a ninhada tenha o aval do RottRio, e para que tenhamos certeza que estamos ajudando a raça.

................................................................

Pergunta:
Boa Tarde!!!
Gostaria muito de comprar um cão da raça, no entanto tenho receio do que se fala por aí sobre o animal. Sei que varia muito de acordo na forma com que ele é tratado, fiquei um pouco mais tranquilo após ler as informações no seu site, mas ainda tenho dúvidas de como criar e educar um animal deste porte para que o mesmo seja dócil e austero quando necessário como cuidar da casa por exemplo. Creio que o convívio com muitas pessoas não seja muito bom, mas ao mesmo tempo não posso isolar o animal do convívio com seres humanos.
Minha preocupação maior é que tenho três filhas, 6 anos, 2 anos e 1 ano ; não sei até aonde poderei confiar na reação do animal por mais que conviva com elas desde de pequeno.
Tenho um Fila Brasileiro porte grande e gostaria de saber se conviveriam bem, se puderem me informar também qual o custo do filhote macho ou fêmea (prefiro macho) e qual o mais adequado para minha necessidade, ou seja, guarda severa e amabilidade garantida quando em família.
O custo mensal total com um animal da raça também é interessante saber.
O animal teria uma área de aproxidamente 1000m2 para habitar durante o dia e 20.000m2 para guardar a noite, além de um canil de 30m2 fechado para habitar juntamente com o Fila , será que ele se adaptaria a fazer suas necessidades em um só lugar como o Fila?
Pois construi um canil com divisão sanitária onde uma bacia sanitária em nível do chão foi instalada e o Fila só realiza suas necessidades neste local será que o Rottweiller também se adaptaria? Pois esta foi uma forma mais fácil que encontrei de manter a higiene do canil , água e comida são automaticamente fornecidos de acordo com a quantidade que o animal bebe ou come, será que isto é bom ou ruim, deveria ter horários para a comida? Gasto com o Fila um saco de ração de 15kg a cada 5 dias, não sei se isto é o normal.
De uma maneira geral gostaria de saber de dicas de como cuidar do animal da maneira mais correta possível, além de ter uma garantia da sua fidelidade comigo e minha família e de sua proteção quando necessário.

Resposta:
Olá,
A criação de um bom cão de guarda e de família vai depender de uma boa genética + boa educação/treinamento. Ao contrário do que acha comumente, o filhote deve sim conviver com muitas pessoas e ser o mais sociável possível. Só assim ele vai ter segurança e discernimento para atuar quando for preciso e ao mesmo tempo não causar um acidente.

Quanto às crianças, normalmente os rott são muito pacientes e gostam de crianças. O importante é educar o cão e as crianças quanto a limites e respeito. Eu sempre indico fêmea nesses casos e não macho, pois elas são mais pacientes, menores e menos dominantes e fazem guarda do mesmo jeito.

Quanto à questão do fila, se ele é macho um rott macho dificilmente daria certo. Talvês por um tempo, até ele fazer 1 ano e meio ou dois, depois seria briga na quase que certa. Para ter uma fêmea você teria que castrar um dos dois para evitar problemas (10 a 12 "problemas" ...).
Adaptar ao local das necessidades vai depender de vocês educarem, mas é possível.
A água à vontade é ótimo, mas ração não, cães adultos devem comer 2 vezes por dia, quantidades reguladas. Aliás, pelo que você mandou seu fila come 3 kg por dia, o que é absurdamente muito. Se a ração for de boa qualidade ele deveria comer no máximo tipo 1,2kg (se ele for muito grande). Se a ração for de baixa qualidade ele precisaria comer mais, mas com certeza menos de 2 kg. Veja o que está acontecendo, será que ratos ou pássaros não estão roubando a comida dele? Se não pense em mudar a ração pois ele não está absorvendo o que deveria.

Para dicas de como cuidar bem e mais informações sobre a raça, olhe os sites www.lordcao.com.br , www.rottrio.com.br ,www.apro.com.br e www.rottweiler.com.br.

Quanto à fidelidade que você fala no final ... vai depender de você. Escolha um bom filhote e eduque-o bem, dê a ele carinho e atenção, e você terá o melhor amigo do mundo.

................................................................

Pergunta:
Bom dia
Primeiramente parabéns pelo seu excelente trabalho com os cães, eu sempre costumo ver o site para esclarecer inúmeras duvidas e já me ajudaram muito.
Gostaria de pedir a sua ajuda, eu tenho uma cadela de 7 meses da maravilhosa raça Rottweiler, de uns tempos para cá, quando faço carinho nela, quando tiro a mão ela tenta me morder. Eu já a repreendi com um enérgico "não", mais mesmo assim ela continua com essa mania, e não é só comigo, com todos da casa. Vc poderia por favor
me orientar sobre o assunto.

Resposta:
Pela idade, essa atitude dela deve ser um teste de dominância, uma "malcriação" para continuar a ganhar carinho. Dificilmente fêmeas de rott dão problemas de agressão com donos, mas para não arriscar, é melhor não deixar isso ir adiante. Quando ela for morder a mão, deixe que morda, e quando ela fechar a boca aperte o maxilar dela (com a mão que está dentro da boca) olhando firme para ela até que ela solte. Provavelmente logo ela desiste. Além disso passa chamá-la para fazer carinho e não esperar que ela peça, na hora de para, diga "chega" e pare, se ela pedir mais, não faça. Para complementar, é importante ter tempo para brincar com ela e dar atenção, e treiná-la em obediência básica. O rott é uma raça de trabalho e como tal deve ser trabalhada para usar sua energia de forma construtiva. Além disso a obediência reforça a hierarquia e os vínculos entre o cão e o dono.

................................................................

Pergunta:
Bom dia pessoal,
Tenho duvida sobre a raça de cão de guarda ideal para minha família e gostaria de auxilio, nosso cachorro será criado em nossa casa de praia a qual tem caseiro e família (02 crianças pequenas), o terreno têm 300 metros e piscina e o local é bastante isolado, temos uma cadelinha poodle com 02 anos que é o nosso xodó mas que é criada no Rio e visitará a casa esporadicamente, ainda não temos filho mas temos previsão de termos nos próximos anos, o animal terá um terreno de 500 metros de canil ao lado da casa totalmente independente, gostamos muito de animais e os criamos com carinho e respeito. Gostaria de ajuda pois preciso de um cão vigoroso com estranhos mais dócil com crianças e outros animais.

Resposta:
A criação de um bom cão de guarda e de família vai depender de uma boa genética + boa socialização + boa educação/treinamento. Qualquer que seja a raça que você escolha, compre um bom exemplar, de um canil sério que selecione bem cães e não "fabrique" filhotes só para vender. Tenha em mente que esses filhotes vão custar mais caro que os de "fundo de quintal", mas você terá a certeza de levar o temperamento e a saúde que pretende.

Tenha em mente que para ser "vigoroso" com estranhos, um cão tem que ser corajoso e determinado e para isso ele terá que ser seguro e portanto possivelmente mais dominante. Raças tradicionais de guarda como o Pastor Alemão, o Rottweiler ou o Doberman normalmente conseguem unir esse temperamento com uma grande dedicação a seus donos e às crianças (desde que o primeiro parágrafo desta mensagem seja seguido).

Já raças como o Boxer, o Dogue Alemão, o Buldogue Americano ou o Rodesiano são menos dominantes, mas também normalmente fazem uma guarda menos efetiva, ou seja, intimidam, mas nem sempre agem se for preciso. Aí vai depender do que vocês querem.

Ao contrário do que se acha comumente, o filhote deverá conviver com muitas pessoas e ser o mais sociável possível, não só com os donos/caseiros, mas com visitas e amigos. Só assim ele vai ter segurança e discernimento para atuar quando for preciso e ao mesmo tempo não causar um acidente. Depois de 1 ano e pouco naturalmente eles ficam mais reservados com estranhos e começam a "fazer guarda".

Quanto às crianças, normalmente essas raças são muito pacientes e gostam de crianças. O importante é educar ao cão e às crianças quanto a limites e respeito, e NUNCA deixar crianças menores de 10 anos sozinhas com cachorros.

................................................................

Pergunta:
Olá,
Sou dono de um Rottweiler macho, adulto (3 anos), que é meu desde filhote, trata-se de um cão saudável, carinhoso e brincalhão mas que recentemente começou a apresentar alguns sintomas de desvio de comportamento. Sinto que o cão não tem atendido mais aos meus comandos e recentemente ameaçou me morder ao receber um comando para entrar no canil. Um fato que pode ser relevante é que ele nunca acasalou e fica constantemente tentando acasalar, sem sucesso, com uma fêmea mestiça Dog Alemão/ Rottweiler, que é castrada, que tbm possuo.
Gostaria de saber mais informações quanto aos procedimentos a serem adotados para a correção destes e outros desvios e também quanto ao adestramento de obediência.

Resposta:
Os sintomas que você descreve não são necessariamente de desvio de comportamento, mas sim de um cão que chegou à idade adulta e está testando seus limites.
O treinamento de obediência melhora isso muito pois reforça a hierarquia da casa, assim como o laço entre vocês. Outra coisa a levar em conta é se ele está sendo bem exercitado e tendo bastante contato com as pessoas da casa, pois a falta disso é geralmente o motivo para o cão não querer ir para o canil. O rottweiler é um cão de trabalho, ele precisa gastar energia de forma direcionada. Quanto à acasalar, só pioraria o caso, pois na cabeça do cão, quem acasala é o líder da matilha, então ...
Ele pode também estar mais protetor por causa da fêmea, querendo mostrar que ela é dele, e isso não tem muito jeito se ele continuar intacto. O ideal para cães de companhia/guarda é a castração. Além dos benefícios para a saúde, diminui em muito a ansiedade e aumenta a atenção na guarda. A única contra-indicação é ele não poder ter filhos nem entrar em exposições, e por isso não se pode fazer em cães de criação. Se esse não for o caso dele, vale a pena. E lembre-se que na hora de treinar, não deixe o cão com o adestrador, o treinamento deve sempre ser feito através de você, com sua presença e participação.

................................................................

Pergunta:
Olá,
Gostaria que vocês tirassem minha dúvida.
Meu cão (macho), quando ele pega qualquer coisa (pedaço de pau, ou pedra), e fica na boca, eu não consigo fazer ele soltar ou me entregar, ele fica rosnando e tenta me morder.
A minha duvida é: isso é uma característica da raça, ou eu não estou sabendo lidar c/ o problema?
A impressão que me dá é que ele só solta se ele quiser!!!!!!!!
O meu medo é que se ele morder ou pegar algo eu não vou conseguir dominá-lo.
Há e só tem 7 meses.

Resposta:
Olá,

O que seu cão está demonstrando não é uma característica da raça, mas sim um excesso de dominância que pode aparecer em qualquer raça, e que não é desejado.

Sugiro que você comece urgentemente um adestramento de obediência com ele, sempre feito na sua presença e sem violência, nunca deixe-o sozinho com o treinador, ele tem que obedecer a você e não a ele. Você tem que inverter esse quadro e fazer com que ele te obedeça sempre, mesmo nas coisas pequenas. Ele é muito novo para já estar fazendo isso, e tentar te morder é inaceitável. Pode ser que você o esteja educando mal, e sem querer, dando margem a esse comportamento, por isso é importante ajuda profissional. Lembre-se, cão de guarda não é cão maluco, para fazer guarda direito o cão tem que ser confiável e socializado, conviver com a família e se sentir parte dela, respeitando os donos e ganhando carinho e atenção.

Agressividade é uma característica genética, mas o treinamento vai te ensinar a lidar com ele bem.
Vá no site www.lordcao.com.br que tem algumas dicas. Também seria bom pensar em castração, pois não afeta a guarda em nada e vai torná-lo mais confiável, pois com a diminuição da testosterona a agressividade diminui, assim como a dominância.

................................................................

Pergunta:
Moro em Catalão (GO) e li seu artigo em MyPet e agradeço se puder responder algumas perguntas. Ganhei uma cadela Rottweller e atualmente ela está com quase 6 meses de idade, pesando 9,100 kgs e medindo 43 cms (altura do dorso). Gosta de brincar mordendo minha mão e quando ela quer brincar e eu não posso, fico quieto, ela late olhando para mim como que chamando para brincar, desistindo quando percebe que não posso brincar naquele momento. Quando saio para passear com ela, ele anda rápido me arrastando querendo comandar a velocidade do andar. Intimida-se ao passar por onde tem outro cão.

Estes comportamentos são normais?
Seu peso e tamanho estão normais?
Até que idade continua crescendo?
Onde consigo uma tabela para acompanhar seu desenvolvimento?

Se puder me responder mesmo que seja somente informando onde consigo tais informações eu ficaria muito agradecido.

Resposta:
Olá,
Dependendo da linhagem, tem rotts que crescem mais rápido ou mais devagar. Por isso, altura e peso são muito relativos, e qualquer tabela seria imprecisa. O importante é ela estar com o corpinho bom, ou seja, nem com as costelas aparecendo quando se mexe, nem com uma capinha de gordura quando passamos a mão pelas costelas. Você deve ser capaz de sentir as costelas dela com facilidade ao passar a mão nela. Morder a mão e chamar para brincar é normal, você pode ir ensinando a ela a não morder e que brincar é quando você quer e não ela. Mas lembre-se que para isso ela precisa de muita atenção e brincadeiras, se não acaba ficando ansiosa. Rotts crescem até 10 ou 12 meses, mas encorpam até os 2 anos, que é quando passam a ser adultos. Alimente-a com uma ração super premium para filhotes até os 18 meses e com certeza ela vai desenvolver tudo o que sua carga genética determinar. Quanto aos passeios, é importante começar o treinamento de obediência, não só para isso, mas para que vocês tenham uma melhor comunicação e você tenha controle sobre ela.

Para estudar um pouco sobre a raça, indico o site www.rottrio.com.br e www.apro.com.br.

................................................................

Pergunta:
Olá Daniela,
Tenho dúvidas sobre cruzar ou não o cão.
Tenho uma cadela que fará 2 anos em julho mas nunca cruzou.
Algumas pessoas me falam que é bom o cachorro cruzar ao menos uma vez,
outras dizem que isso tudo é bobagem.
Gostaria de saber até onde isso é verdade ou mito.
Minha mãe sempre teve cães vira-lata,nunca deixou cruzar e quase todas morreram
com câncer de mama. Isso tem a ver?

Resposta:
Olá,
Realmente muito se diz sobre esse assunto, e infelizmente muitas pessoas dão informação sem base nenhuma.

Cruzar não faz bem nenhum para o cachorro ou cadela, seja física ou psicologicamente. O que faz bem em ambos os casos é a castração, porque evita vários problemas, entre eles o câncer de mama, se for feita antes do segundo cio da cadela.

Ou seja, se uma cadela não for castrada, tanto faz cruzar ou não, ela terá grandes chances de ter câncer de mama, pois ela terá ciclado (tido cios) várias vezes. Quando ela é castrada, ela pára de ciclar e de ter contato com os hormônios que ajudam a "alimentar" o câncer, por isso diminuem as chances dela desenvolver os tumores (grosseiramente falando). Quando a castração é feita antes do primeiro cio, ou no máximo do segundo, ela nem tem contato, ou tem muito pouco, com esses hormônios, e por isso as chances de ter tumores no futuro caem para menos de 0,5%.

Ou seja, as cadelas da tua mãe tiveram tumores não porque não cruzaram, mas porque cadelas não castradas têm tumor mesmo, quer cruzem ou não.

Minhas cadelas de criação tiveram tumores, assim como as de muitos amigos criadores, justamente porque tiveram muitos cios e ninhadas. E olha que eu só castro assim que tiro de reprodução, e minhas cadelas têm no máximo 4 ninhadas.

Outro problema comum é a chamada "gravidez psicológica" (que é hormonal e não psicológica). Essa também não melhora cruzando, volta no cio seguinte do mesmo jeito. A única solução é de novo a castração pois ela interrompe o ciclo hormonal que causa o problema.

A única vantagem de cruzar um cão / cadela é ajudar a manter e melhorar a raça. Ou seja, se a tua cadela é um bom exemplar e você gostaria de criar, cruze, mas se não, castre que é melhor para ela.

................................................................

Pergunta:
Caros amigos, a Lordcão fala do problemas que a raça rottweiller pode apresentar: tipo displasia; olhos claros (pode acarretar problemas de comportamento), problemas na pálpebra (cegueira, úlcera de córnea...), etc... Como saber se eu adquiri um animal bom, visto que nem sempre a gente tem acesso aos pais como no meu caso, e até mesmo os bons veterinários não são especialistas no assunto.
O meu rott, está com dois meses, e desde mais cedo não gosta muito que pegue ele no colo, nos braços, para retirá-lo de um lugar para o outro, tem muita facilidade de ficar rosnando; na segunda vez que levei o bicho para vacinar no veterinário a moça da recepção me pediu para não deixá-lo ir para o chão, visto que é constante animais doentes que passam por alí, e que era para eu deixar o cachorro em cima do sofá de espera, percebi que o cachorro ficava inquieto, não queria ficar no sofá, até aí tudo bem, como eu cercava ele com minha mão e segurava-o com certa delicadeza, visto que havia mais gente admirando meu animal, o bicho rosnou várias vezes até que me deu uma mordida no dedão, nada grave, o bicho é pequeno, mas deu para furar o meu dedo..... o que fazer? chamar a atenção energicamente, dar umas chineladas e dar voz de comando tipo (sai!) ao mesmo tempo?

Resposta:
Olá,
Alguns filhotes demonstram muita dominância nesta idade, é uma forma de tentarem determinar qual será seu lugar nessa nova matilha (sua família). Para saber se se trata de um "bom animal", você pode levá-lo a um criador experiente, ao clube especializado ou kennel clube de sua cidade ou a um treinador com experiência.
Você disse que não tem acesso aos pais, então não temos como saber se ele tem um temperamento geneticamente bom ou ruim. Mais de 50% do temperamento dos cães é genético, o resto é determinado pelo meio ambiente, é nesse que você deverá investir pois a genética já está nele. O melhor é começar educando o cara com carinho e energia. Nada de chineladas, tapas ou gritos, ele escuta 36 vezes melhor que nós, portanto quando não obedece não é por que não está ouvindo ... e gritar só o excita mais. Um "não" em voz baixa e grossa, olhando nos olhos e segurando o focinho costuma resolver a maioria dos problemas. Se ele tentar morder, ou aperte a língua dele com os dedos até que solte, ou tire-o do chão (segurando pela barriga) por alguns segundos até que se acalme. Fora isso, ensine o senta para ganhar comida e biscoitos e nunca brinque de forma bruta tipo cabo de guerra ou luta. A comida tem que ter hora certa e nunca ficar à disposição dele e ele precisa de espaço para brincar e gastar energia. Também seria bom começar logo aos 4 meses um treinamento de obediência básica (sem castigos) , sempre com a sua participação. Nunca deixe seu filhote sozinho com o adestrador, é a você que ele deve obedecer.
Se ele não for melhorando com essas medidas básicas é melhor você chamar um treinador experiente e de confiança para fazer uma avaliação.